Impagável

Resultado de imagem para homo sapiens

no Antologia, dos homo sapiens

.

Publicado em Uncategorized | Etiquetas

Coisas que ainda

se encontram esgravatando em poeiras de sebo – :img_20161125_122910

 …uma primeira edição do Dalton. Fruto ocasionalmente colhido da teimosia em ir parafraseando e imitando as sãs doutrinas e boas práticas do Relvas; as consabidas e permanentes buscas pela cultura e conhecimento“.

Ou, a imprescrutável vida e os (involuntários) ídolos a quem votamos.

 

 

 

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , ,

Companha de noites cálidas

IMG_20161028_220706.jpg

Image | Publicado em por

O Carmo e a Trindade, Armagedão

Marco histórico, sinal de que a crise civilizacional pode ser ainda mais grave do pensávamos: um dos articulistas de O Insurgente escreve num post a palavra «foda-se».

Publicado em Uncategorized | Etiquetas ,

Notícias da barbárie

adetyax

O jornal conservador norueguês Aftenposten incita os cidadãos a verificar quem ganhou quanto no seu concelho de residência através da lista de impostos e rendimentos declarados para 2015, agora tornada pública.

Um totalitarismo total, diria o dr. Viegas. Um mundo bárbaro de espiolhamento alheio. Que seja o melhor país do mundo para se viver só pode ser boato. Digo eu…

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , ,

Coisas boas

img_20160923_162719 Julius Winsome, de Gerard Donovan. Experimentem.

Publicado em Uncategorized

Utilidades e inutilidades da nyperose, “a sentinela dos caminhos”.

A espécie de rosa bravia a que aqui chamam nyperose – a mesmíssima de um post abaixo – era tradicionalmente também uma fonte preciosa de vitamina C. O seu fruto, que fica imediatamente abaixo das pétalas, depois de expurgado das sementes, pode ser usado como compota, ou, depois de seco, como chá.  Deu também, em tempos antigos origem a uma lírica e belíssima designação (por ser frequentemente encontrada ao longo de estradas): a sentinela dos caminhos.

Por rimar com marinheiro ou marujo (matrosen) a rosa bravia (nyperosen) permitiu também a Gunnar Reiss-Andersen os versos da primeira quadra do poema Vento [Vinden] – em År på en strand, publicado em 1962 – em que o vento é designado por marujo azul, o tal que vem de longe, desde o Mar Vermelho (para bailar com) até à rosa bravia. Assim (os tesouros que eu vos desencanto) aparece na página dessa primeira edição:

 

IMG_20160915_104631.jpg

* desculpem estas minudências, rosas bravias, fotos de papéis velhos, mas como não tenho profiteroles que deixe no prato para vossa iluminação e benefício, compreenderão decerto…

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , ,