Arquivos Mensais: Dezembro 2010

Companhas

Quando eu for velhote, gostaria de ser tão novo quanto este homem. Foi um daqueles blogs que li até ao primeiro post; a andar para trás. Deu-me este ano a leitura de dois dos seus livros. E a leitura disto … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , | Publicar um comentário

Boa pergunta

Para que o termo “professor” não fique apenas associado a coisas sinistras, no livro acima de Thomas C. Foster encontramos uma das mais fantásticas perguntas, talvez a pergunta essencial para um leitor absorto:

Publicado em Uncategorized | Etiquetas | Publicar um comentário

A apologia do professorado

Ao ver posts, a enaltecer o saber deste vaidoso e inconsciente capigorrista de financeiros, acabo por não perceber se esta gente é parva ou simplesmente estúpida. Foi professor dela e deu-lhe boa nota e ela agora dá-lhe boa nota a … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , , | Publicar um comentário

All religions will pass

Uma das melhores invenções da humanidade, uma poltrona, avião à volta, e um alfarrábio. Há duas semanas atrás, bindo do shul, e  rumo a S. Paulo. E em S. Paulo, o pensamento voa também ao ver os outros leitores e … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Um velho professor de química e um poema de Yeats

A política é o domínio das coisas grandes. Por mim gosto particularmente da expressão “Grandes Opções do Plano”. É bonita e a gente ilustra-se só de soletrá-la. Mas é o domínio também onde erradamente se esquece o pequeno e o … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , | Publicar um comentário

T’en svensk…. e as convicções

Metido numa dessas máquinas que sulcam os mares (os navios), anda um electricista norueguês; de quem os  navios sempre precisam e quem não os conhecer que os compre. Chama-se Bjorn-Arve, e é o que chamamos um “cenourinha”, por cabelo ruivo … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , | Publicar um comentário

Something deep below

E era então, em 1936, que a Victor Gollancz publicava na Grã-Bretanha o romance de George Orwell Keep the Aspidistra Flying. Na segunda metade dos anos trinta, como se sabe, boas coisas se cozinhavam para juntar às que já estavam … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , | Publicar um comentário