Hoplitas da soberania

Não me canso de admirar o rally round’nd’round the flag pela soberania. Hoplitas cerrados juntam escudo e pique por resguardo do hímen soberano-complacente da nação. Nas várias versões de nação: desde a renaniana plebiscitária de todos os dias (a que dê a bola), à benedicto-andersoniana e imaginada comunidade de aproveitar em podendo, e feche a porta e pague o parvo que sair em último. Isto no futuro há-de dar tema a boas dissertações em Coimbra.

Entretido no avião a ler o Portugal à Coronhada do Diego Palacios Cerezales tive a má ideia de ir lavar as mãos depois da refeição. Uns colegas apadrinhavam um simplório que voou para Oslo à cata de vida. Ao que tudo indica venderam-lhe as Bahamas se não todas as Seychelles. Queria chegar ao norte onde há trabalho … contou-me aflito do lado de fora do aeroporto. Pelo jeito, viu no mapa que o lá há. Cá fora do aeroporto brisa de navalhas, noite à moda de cá, termómetro em casa do caralho de baixo…

 Que os outros com quem o vi a falar (repetidamente, mas você conhece-os?) lhe tinham prometido ajudá-lo a chegar a Tromso ou a Bodø, informariam de como, ajudando-o na compra do bilhete. Dinheiro para ele não tinha (dizia), tinha uns trastes dentro de uma coisa parecida com bagagem, e mais uns trocados, poucos. Agora dos outros beneméritos virtuais nem vê-los – passados de fininho a tomar o comboio para a cidade e o quente do hotel. Mostrava-me meia dúzia de moedas de euro, que queria que eu lhas trocasse por coroas.

Com fogo no rabo a ver se ainda apanhava alguma das conferências ou colóquios que sempre decorrem aos dias de semana na Casa da Literatura, a desenojoar de Vitorinos, Marcelos e outros Cíceros, deixei-lhe o dinheiro que tinha em coroas norueguesas na carteira, obscenamente pouco. Depois dormi mal sobre o assunto. Podia ser tanga, podia ser verdade. Verdade era que não tinha ideia de nada, puxava estabalhoado do trunfo de falar inglês, que imaginei técnico como o do outro, ou ainda menos. Verdade era que o termómetro na rua nem pra cães de trenó. Deveria, pelo menos, ter-lhe deixado o dinheiro necessário para trocar a data da volta na Tap, coisa que deve andar pelos 60 a 100 euros, ou volta escoltado à porta de embarque, ferrete no passaporte.

Encontrados os outros samaritanos na manhã seguinte perguntei-lhes que caralho é que vocês prometeram ao homem que andava doido à vossa procura? Para onde é que ele ia afinal?

Sacolejados de riso, marfins sem mancha de remorso:

O quê? Não digas que acabou por te foder a ti?

Ultrapassem os hunos da kaiserina Salamanca quanto queiram, que a soberania de Trancoso aguenta-se. Hoplitas assim e sobejam as muralhas.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , . ligação permanente.

4 respostas a Hoplitas da soberania

  1. Panurgo diz:

    Você com tanta literatura e filosofia ainda não compreendeu uma coisinha tão simples: o povo português não vale um caralho.

  2. soliplass diz:

    meu caro amigo… isto contra a ingenuidade dos crentes a literatura e a filosofia nada podem. Comprei aquele pacote com «a fé é que nos salva» no rótulo e agora ando nisto, você conhece a estrofe, rais part’á vida e quem lá ande…

    Se calhar com mais umas bandeirinhas e mais dois Scolaris ou três conseguiremos.

  3. Panurgo diz:

    A coisa saiu-me amarga; é o que dá já não conseguir acreditar na “bondade”, na “solidariedade” desta gente. Já falta pouco para o Euro. Que o Cristo Ronaldo me ilumine.

  4. soliplass diz:

    E que se vão chegando os medronhos ao alambique… isto de três ou quatro decilitros de boa medronheira muito nos ajuda na iluminação do dia-a-dia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s