Promulgue à vontadinha

 

 

Promulgue o cavaquinho o códigozinho à vontadérrima. Gente, é isto. Coisa que não pode ser despromulgada.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , . ligação permanente.

9 respostas a Promulgue à vontadinha

  1. Areia às Ondas diz:

    Só posso ‘igualar’ isto por me virem as lágrimas aos olhos com a emoção desta imagem.

  2. António Bettencourt diz:

    Mas que obsessão tem vocelência pela cavacal figura. Diz o Houaiss que catar cavaco é “correr com o corpo curvado para a frente, as mãos quase tocando o chão, na tentativa de restabelecer posição de equilíbrio”. Ainda dizem que o Homem não descende do primata de Belém.

  3. soliplass diz:

    Pois é, uma implicância como a daquele tipo do Twain que foi corromper Hadleyburg quando tudo corria tão bem. Nem eu percebo isto às vezes. Se calhar é a minha alergia a figos e a penas de urubu que me compele a isto… a vida é tramada compadre!

  4. soliplass diz:

    Face aos riscos de um abismo daqueles é preciso cojones. Se falha ali qualquer coisa, adeus ó vindima.

  5. António Bettencourt diz:

    Nem mais. Pobre e escavacada figura. Que culpa tem ele de lhe terem deixado um monte de acções à porta da capoeira?

  6. soliplass diz:

    Culpa nenhuma, aquele incorruptível – ao segundo nascimento. Aliás as histórias do figuro parecem-se de tal modo com um mau guião de Twain que até admira não terem ainda geminado Boliqueime com Hadleyburg. Lembra-se que a mulher de Richards (Mary, ora aí está) que, pensando no conteúdeo do saco? “Now and then she murmured, “Lead us not into t . . . but — but — we are so poor, so poor! . . . Lead us not into . . . Ah, who would be hurt by it? — and no one would ever know !”

    E depois, sonhando acordada na cama (conta-nos Twain) : ” Mary had spent six thousand dollars on a new house for herself and a pair of slippers for her pastor, and then had fallen peacefully to rest.” Twain é omisso quanto ao batismo da casa, mas não custa a acreditar que se tivesse chamado Rabbit’s Villa.

    Quanto á Mary de cá, não custa a acreditar (dado o caritativo das presidenciais criaturas acasaladas) que do saco das acções ainda tivesse sobrado pra uns chinelos ao reverendo da paróquia de Boliqueime. Por descargo de consciência, e por mor das boas obras….

  7. António Bettencourt diz:

    He had only one vanity; he thought he could give advice better than any other person.

  8. soliplass diz:

    É compadre, este também é “just like Goodson.” Nem admira que seja vaidoso da sua capacidade aconselhadora; tendo ele próprio a sorte de aconselhamentos de coelhos e loureiros, é facílimo; só repeti-los. Aquilo é tudo gente preclara e sabedora. Sabem muito…

    Houvesse Quevedo que buscões não faltam: dados ás artes liberais e não mecânicas como aquele distinto barbeiro pai de dom Pablos que saía a rapar, sem se saber nunca se a barba se a bolsa…

  9. António Bettencourt diz:

    -Quien no hurta en el mundo, no vive. ¿Por qué piensas que los alguaciles y jueces nos aborrecen tanto? Unas veces nos destierran, otras nos azotan y otras nos cuelgan… (…) Porque no querrían que donde están hubiese otros ladrones sino ellos y sus ministros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s