Petiscos: pinhão da araucária

003

Por esta época, é comum a venda de pinhão da araucária (o pinheiro do Paraná, vários exemplos à vista na foto) pela beira das estradas. Bom e simples petisco. Fonte de socialização no antigamente (famílias reunidas em volta do fogão a lenha onde se preparava assado na chapa – ou sapecado, na expressão local) pode também ser simplesmente cozido em água.

091

099

Extraído de forma simples a dente (mordendo a parte mais grossa sairá sem problemas pela ponta da casca) ou aberto à faca é excelente pitança. O sabor e consistência não se afasta por aí além da nossa castanha. Adornado com uma pitadinha de sal, de forma mais frugal ou apressada com o simples “simplesmente assim”, acompanha sem grandes bulhas com um cházito da cooperativa de Reguengos ou da Vidigueira.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , . ligação permanente.

4 respostas a Petiscos: pinhão da araucária

  1. Cristina diz:

    Adoro pinhão, faz parte de minhas memórias infantis!
    Comprei na feira semana passada. Cozinhei em panela de pressão e comi quentinho, com o “Par”.
    Aqui, vende-se aos litros. Na antiguidade, foi uma rica fonte alimentar (e saudável) para nossos indígenas, e depois, para os tropeiros.
    Bela conífera, a araucária.
    Um abraço.

  2. Cristina diz:

    Aqui no leste paulista também temos os pinhões. Estão em minhas memórias infantis, na casa da avó.
    Semana passada comprei “um litro” na feira livre e cozinhei na pressão. Quentinho é que se come.
    Abraços.

  3. soliplass diz:

    Desculpe a publicação tardia, os seus comentários, por obra da cibernética, estavam no “spam”. De facto o pinhão é delicioso. Difícil, difícil mesmo, é parar de comer. É melhor não comprar muito…

    Abraço.

  4. Cristina diz:

    Desculpe ter publicado duas vezes, achei que não tivesse seguido o primeiro.
    A teimosia em comentar foi por não poder deixar o tema em branco, o pinhão é uma histórica fonte de energia sul-americana.
    Nos caminhos do ouro, à época que Portugal era dono destas terras, conforme a época do ano, comia-se abóboras, carás, pinhões – tudo feito com carne seca.

    Até mais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s