Imaginação

No vôo doméstico de Curitiba ao Rio, um rapaz estreitinho, pala do boné à retaguarda, camisa de flanela quadriculada, nas costas o vocábulo «gangster». Aos movimentos da cabeça no chalrear com os colegas respondia o encosto da cadeira atravessando-lhe o boné. Lá lhe alinhava a pala com bissectriz do magro cachaço, cofiando-a, como se extensão capilar. Vez após vez, sem nunca se decidir voltar a pala adiante, paralela ao nariz; a maneira mais simples de resolver o assunto.

Apreciando a manobra juvenil, fui sorrindo dos trabalhos e incómodos da imaginação, a frase de Samuel Johnson (de um outro dia de Maio em 1778) a saltar a terreiro do arquivo cachimonioso:

“Were it not for imagination, Sir, a man would be as happy in the arms of a chambermaid as of a Duchess.”

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , . ligação permanente.

2 respostas a Imaginação

  1. Ivone Mendes da Silva diz:

    🙂 Já me fez sorrir com o cuidado do rapaz em repor o adereço e o Johnson a saltar-lhe de cachimónia a propósito. Imaginação e memória, bela combinação.

  2. soliplass diz:

    Não escrevo isto como condenação ou crítica. Todos ou temos ou tivemos manias que são equivalentes àquelas, e mal de nós sem um pouco de imaginação (segundo o Gedeão, o mundo pula e avança disso). Por mim até gosto de ver diferença de estilos, mesmo excessos e excentricidade. Vim apenas divertido a ver o trabalho que aquilo dava.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s