Arquivos Mensais: Abril 2014

Undosa planície, instável cristal

[…]     Quem mais regozijou foi o cavaleiro Alcides de Carvalho, que sempre tocava a tecla da necessidade da «descida» à capital em nome dos «lídimos interesses da pátria». Aconselhava ele como mais indicado para a minha preparação o … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário

Questão pedagógica

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , | Publicar um comentário

Um dos «queimados» – sem chapéu nem gravata

  Era uma tropa de homens sujos. «Os queimados», como um deles baptizou o grupo. Saltavam de dentro das Scanias verdes carregadas de toros de pinheiro enegrecido pelo fogo, e invadiam, para espanto da freguesia, um dos cafés de Espinheira, … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , , | 17 Comentários

al comando

Interessante e muito comentado o artigo no Blasfémias sobre o salário mínimo. É bom que assim aconteça: que se vá comentando e argumentando. Vale a pena notar contudo, talvez, quiça, que salários mínimos, tal com outras disposições de ordenamento social, … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

Curious the children…

  “Curious the children in Cagliari. The poor seem thoroughly poor-bare-footed urchins, gay and wild in the narrow dark streets. But the more well-to-do children are so fine: so extraordinarily elegantly dressed. It quite strikes one of a heap. Not … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Agora ao vivo

Dediquei-lhe aqui um post, ao afundar do Blücher; um dos acontecimentos fulcrais no desenrolar da Segunda Guerra Mundial durante a tentativa de invasão da Noruega por parte da Alemanha. Um tiro certeiro na ponte debilitava o navio principal. O navio jaz … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário

Los inmigrantes

Ao não volante de um chivrolé pela estrada de Sintra, antes pelos cafundó do brejo passado S. Jorge d´Oeste, ali a província do Chaco perto, atravessando a fronteira. E Makallé. A do conto. Faz memorosa parte da geografia literária deste … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , | Publicar um comentário