Ler os outros: Onanismo

E voltando atrás, a outro Outubro e ao saudoso Tempo Contado: «Onanismo» de J. Rentes de Carvalho, sempre bom de anotar na margem de um dos  grossos cadernos do Expresso.

“Como escritor sempre os políticos me divertiram, como indivíduo considero-os uma classe que merece o desdém que se nutre pelo lojista que cientemente rouba.

Por isso continua a fazer-me espécie a febre com que, num país que alcançou um elevado palmarès de corrupção e pulhice política, tantos cidadãos se devotem a discutir, analisar, prever, a reprovar ou aplaudir os ditos, as façanhas e o pensamento dos governantes.

Terá essa gente uma fé que a mim falta? Conhecimentos secretos? Poderes divinatórios? Recebem eles a horas mortas, em lugares escusos, as confidências dos que verdadeiramente podem e sabem? Estarão convictos de que penetram a razão das caretas do Senhor Presidente da República ou das poses do Senhor Primeiro Ministro? As promessas do ministro A.? A arrogância do ministro B.? Terão talvez a louca esperança de que, nos cafés, nos comícios, nos jornais e nos blogues, o seu palavreado faz sentido ou resulta? Que por falarem alto a agitação tem efeito? Que o voto realmente conta?

Esquecido do respeito que devo ao meu semelhante e às suas opiniões, quase me ia atrevendo a chamar a tudo isso uma forma de onanismo.”

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , . ligação permanente.

12 respostas a Ler os outros: Onanismo

  1. Gosto dos seus romances (não li todos; refiro-me aos que li) e, com mais ou menos assiduidade, fui acompanhando o seu blogue, mas também ele comete o pecado de que acusa os outros. Fá-lo é de outra forma.

  2. E eu também o cometo; se assim não fosse, não tinha um blogue. A decência nunca me cansa, mas o moralismo, por vezes, sim.

  3. soliplass diz:

    Também eu. Mas um gajo tem que arranjar alguma maneira de perder tempo quando não tem jeito para talhar colheres à navalha.

  4. Ora nem mais, compadre. Mas quase ponho a mão no fogo em como tu, se quisesses, serias capaz de talhar colheres à navalha.

  5. soliplass diz:

    Já fiz uma ou outra, mas por necessidade e de usar e deitar fora. A dificuldade maior é arranjar madeira que não seja amarga. De pinho ou ecalipto em verdes nem pensar nisso é bom…

  6. Soliplass, essa de que o voto não conta é quase um convite ao saudoso defundo Oliveira Salazar. E quanto à “pulhice” dos políticos, conduz-me sempre aos melhores momentos de Aníbal Cavaco Silva, o “apolítico”. (O mesmo apolítico que preencheu folhas de bom comportamento para a PIDE).

    Aqui entre nós, prefiro gente que participa e suja as mãos. Pode não ser tão elegante, mas é mais nobre e democrático.

    Abraço.

  7. Miguel diz:

    O mal não está na política, nem naqueles cidadãos que aceitem a responsabilidade de exercer cargos políticos por um período de tempo limitado. O mal consiste na progressiva profissionalização da política e na sua consequência a emergência dos políticos profissionais. (profissão não tão moderna quanto isso, pois cultivada já pelo saudoso Botas de Santa Comba até às últimas consequências) Se se sabe que fulano de tal, jovem promissor, é um político com futuro, quantos serão, entre aqueles que têm altos e importantes interesses a proteger e a cultivar, que terão a necessária e proba força de vontade de não se imiscuir desde logo entre as suas relações? É como entregar às raposas a guarda de um galinheiro.

  8. soliplass diz:

    Caro compadre, o texto não é meu, mas de Rentes de Carvalho se bem que eu o subscreva parcialmente. Vindo da parte dele, com as provas que deu contra o Salazarismo (mesmo aquele que continuou depois do 25/4 – ou aquele que ele relata no Portugal, a Flor e a Foice, mencionando o episódio da direita mais conservadora ameaçar em meios rurais que os comunistas iriam apreender as panelas de pressão às donas de casa) creio que não há ali perigo de convite ou quase convite ao saudoso defunto.

    Por mim gabo-lhe o optimismo do contar do voto. Também eu já pensei de igual forma. O pior é que cada vez mais verificamos que a única utilidade do voto é o «throw the rascals out» (uma das funções importantes da democracia) se bem que os «rascals» continuam a oficiar posteriormente em lugares de influência como as administrações das grandes empresas (onde se dedicam a pôr os Moedas desta vida a funcionar) ou os cargos cimeiros da Administração Pública.

    É claro que é nobre e democrático a gente participar e sujar as mãos. Da minha experiência participativa no PS, ficou-me a impressão que não era apenas a mãos que a gente lá sujava. Progressivamente um gajo evita ser visto à mesa de um café com maior parte dos correlegionários… para não sujar também a reputação, os olhos e os ouvidos, etc. Bem o compreendo Luís. Isto há que escolher o «mal menor» porque não há mundos (ou sociedades) perfeitos. O que acaba por cansar é que de «mal menor» em «mal menor» acabamos sempre por assegurar a continuidade ao detestável.

  9. soliplass diz:

    É só pintar as raposas de cor diferente (entre nós de rosa ou laranja) e a coisa funciona. Pelo menos assegura-se o pluralismo cromático.

  10. Compreendo-o. Mas eu preciso muito de esperança, é um vício meu.

  11. soliplass diz:

    Lamento não o conseguir animar nessa precisão, e bem gostaria. Mas se quiser ou precisar de umas vigas rústicas …

    … da melhor vontade sujo as mãos e lhas faço.

    Com um abraço de cá,

  12. Miguel diz:

    Sobre a democracia, a representatividade ou não dos políticos eleitos, o que se pode fazer para tentar melhorar o sistema político, …. ver esta discussão com David Van Reybrouck:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s