Contacto com a Terra

Na passada terça quando se comemoravam os 70 anos da libertação de Auschwitz conheci finalmente o poeta Jan Erik Vold de quem muito aprecio a obra; em especial a biografia da poetisa Gunvor Hofmo e os diários de Ruth Maier por si editados. Ruth Maier, a jovem que vira a falecer em Auschwitz e a amiga Gunvor que lhe dedicou uma obra poética. Ou, nas palavras de Vold uma “catedral que cresceu da dor” – título de um dos capítulos de Mørkets Sangerske. Vold, que jantava no restaurante Mistral para onde também tínhamos sido convidados pelo amigo que no-lo apresentou, ao que percebi, tinha-se deslocado a Oslo para uma cerimónia relacionada com a efeméride.

Apesar da seriedade do assunto que tão bem tratou, devolvendo à memória colectiva vida e obra das duas mulheres extraordinárias, ao encontrar um poeta e ensaista de tal calibre nem sempre é fácil manter a compostura. Ou seja, não desatar imediatamente um tipo a rir lembrando alguns dos seus poemas. Satirista exímio, desancou meio mundo político norueguês em poemas contundentes (especialmente em Ikke [1993] – a sua poesia de intervenção política encontra-se reunida na excelente colectânea Poesia Política «Politiske Dikt») ridicularizando a chico-espertice que encontrou a mó-de-cima na últimas décadas do séc. XX e por lá continua de vento em popa. Um exemplo do livro Elg (1989) a respeito de um primeiro-ministro do partido de Direita:

"Elg" av Jan Erik Vold

 Contacto com a Terra*

Quando o primeiro-ministro Willock tomou de empréstimo

a bicicleta de corrida

do filho

afocinhou de cabeça em Løvebakken**, partindo do princípio

que todas as bicicletas travam

quando se pedala

ao contrário. A bomba de neutrões, inversamente

consegue percebê-la.

 

* «Bakke» – terra, chão. Equivalente ao vocábulo inglês «ground»

** Løvebakken – pequena ladeira à entrada do parlamento.

O poema no original (aberto a melhor tradução, que a casa agradece):

 

Bakkekontakt

Da statsminister Willoch lånte

sin sønns

racersykkel

gikk han på hue nederst i Løvebakken, han antok

alle sykler bremset

når man tro

bakover. Nøytronbomben, derimot

kan han forstå.

.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s