A Grécia já está a arder?

Depois do pequeno-almoço (às quatro da tarde) com a chávena recarregada de café quente entre as palmas das mãos, olhava o dia cinzento. As zurzidas dos aguaceiros tocados a vento nos ramos altos das oliveiras que crescem ao «deusdará» no terreno contíguo ao estacionamento do prédio. Por baixo delas o matagal de ervas e arbustos, verdes e húmidos agora, pólvora amarelada no pico do Verão. Por entre as barras do gradeamento onde encostamos a traseira dos carros os ramos de um sobreiro invadem já o espaço  da plataforma cimentada.

Há anos que me ofereço para trazer motossera e roçadoira, pagar o combustível, fazer o trabalho. E, não menos importante, passar por parvo aos olhos dos meus vizinhos. Há anos que digo à administração (como gosto do termo administratal) do condomínio que a única coisa que preciso é da definição de se aquilo nos pertence (coisa ainda hoje incerta) ou se se tem que comunicar ao legítimo proprietário. Nicles. Humm…, pois…, temos que ver…  E no entretanto, se não nos arderem casas e automóveis um destes dias de estio grande milagre será.

Solução seria, parece-me, convocar uma reunião de condóminos para discutirmos a situação na Grécia… e tocar no assunto do matagal como quem não quer a coisa.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , . ligação permanente.

6 respostas a A Grécia já está a arder?

  1. Carlos Natálio diz:

    O problema é se a Grécia levanta um ambiente hostil entre vizinhos indesejados… No norte da Europa, ao que por aqui chega, vende-se muito esse discurso…

  2. Fernando Lopes diz:

    Alguns dos condóminos devem temer isto:

    🙂

  3. soliplass diz:

    No fundo a coisa até me diverte: nem moro ali a não ser uns parcos dias por anos, e a aversão lusa a arregaçar as mangas e pegar no batente até acaba por ser engraçada.

  4. soliplass diz:

    náhh! se for para discutir o sexo dos anjos (gregos) e tratar-se uns e outros por doutor, a coisa vai. O pior é quando os assuntos são imediatos e simples…

    Enfim, não há chave de treco-labeco de sete-oitavos que repare a mundividência ibérica. Ou, os dois últimos parágrafos de uma página (talvez a conheça) de Génesis de Eduardo Galeano:

    https://ancorasenefelibatas.files.wordpress.com/2011/01/2010_1202fotos0035.jpg?w=640&h=865

  5. Carlos Natálio diz:

    Tinha uma ideia dos nórdicos como pessoas pragmáticas. Na Noruega até querem varrer os mendigos do seu quintal, não é? Não conhecia o livro 🙂

  6. soliplass diz:

    Referia-me à minha vizinhança lusa, neste caso. Quanto aos outros têm que ser pragmáticos quer queiram quer não. Depois de um nevão um tipo para sair de casa não pode pensar se pega na pá para limpar a neve ou não… tem que pegar ou não sai.

    Quanto aos mendigos anda por lá debate, de facto. Há muitos contra, permitir gente tolhida de frio de mão estendida nas ruas a viver sabe-se lá onde e como durante a noite, outros acham que se deve proibir um ser humano de apelar para a solidariedade de outro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s