Oslo Nye Antikvariat

Foi um porto de abrigo. Para onde, marinheiro estrangeiro, calcorreava as ruas (tantas vezes debaixo de neve) apressado. As poucas horas em que o navio estava atracado não permitia grandes delongas. Ia por livros. Muitas vezes, a primeira coisa que via, ainda na montra, reflectindo a rua defronte era o modelo de um Drakkar suspenso.

oslo livros 041

Depois uma parafernália de livros e papéis, espalhados por ali, por vezes sem que se descobrisse ordem aparente, uma babel de línguas diferentes. Entre eles, aqueles que forneceram o fundo a este blog:

oslo livros 060

Havia gravuras velhas penduradas por ali, uma cascata em Telemark,

oslo livros 048

Os diários de Albert Speer,

oslo livros 085

A história de um veleiro de explorações polares, o Fram,

oslo livros 086

Sete contos fantásticos de Blixen,

oslo livros 082

A história de uma das mais belas amizades, conversa pelas tabernas de Londres,

oslo livros 095

Relatos do martírio interminável de um povo,

oslo livros 093

E as estruturas sociais na nossa Nazaré por um antropólogo da universidade de Trondheim,

oslo livros 099

Eneidas e Ilíadas em várias línguas,

oslo livros 096

Guias, resumos, estudos,

oslo livros 070

Périplos, odisseias de um dia, em hardcover ou paperback,

oslo livros 068

E tudo isto num labirinto desordenado, em rés-do-chão e cave. O pequeno escritório do livreiro:

oslo livros 052

O canto onde por vezes se sentava um teólogo,

oslo livros 059

A escada que levava à cave,

oslo livros 073

A montra do drakkar,

oslo livros 077

Cantos,

oslo livros 044

Recantos,

oslo livros 079

Corredores,

oslo livros 090

Labirintos,

oslo livros 066

oslo livros 102

oslo livros 100

Um mundo de encantos para que não chegava o tempo e a curiosidade. E a velha guerra, com esta máquina:

oslo livros 050

A discussão a cada vez, por me levar um preço irrisório pelos braçados de livros que lá escolhia, que colhia e levava para as leituras no mar. Às tantas, quase envergonhado de lá comprar, com o desejo de comprar o dobro mas com o receio dos descontos. E ao mesmo tempo, uma sensação de beleza ante o gesto de generosidade com o leitor ávido.

oslo livros 046

Perdeu-se o sítio, aquele labirinto de encantos. Ajudei na mudança, carregando caixotes. E de novo a oferta de que escolhesse o que quisesse. A dádiva. O livreiro num dia de sol,

oslo livros 043

que guardei como um dos melhores amigos. Telefonou-me hoje, até este lado do mundo, perguntando como tinha corrido a viagem, contando que amanhã irá à cabana, contando da fonte que lhe construí aproveitando um aquífero da montanha para que tenha água corrente, de onde sai um jorro que congelou. Como que nas fotografias.

Foi um dos melhores alfarrabistas de Oslo. Que o marinheiro pobre que ali foi tão bem recebido devolva agora à cidade as imagens de como era há meia dúzia de anos (não se encontram outras na net) é coisa natural.

 

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , . ligação permanente.