Arquivos Mensais: Abril 2016

Da popularidade como ofensa

Eu sei que deixo por aqui de vez em quando umas opiniões “fortes”, despidas de rodriguinhos, contundentes. E no entanto, em cinco anos e meio de ancoragens e nefelibatices, nunca se gerou por cá polémica de monta. Certa vez, por … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas ,

Exposições, chacotas

Ao contrário do que acontece com os meus colegas noruegueses, não mostro, é claro, aos colegas portugueses o drikketrau; ou similares. Em parte para os proteger. Iria ser alvo de chacota, visto do alto das suas carrinhas tdci, das mariscadas … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas ,

Ler os outros: mochilas

“Mas, depois, perguntei: E se fosse eu a receber um refugiado em minha casa? E, aí, as respostas prontas converteram-se em silêncio. Um silêncio incómodo. Olhavam-se entre eles. Mostravam surpresa. Nenhum deles me deu uma resposta. Nada. Só admiração, espanto. … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , ,

Papagaios e um fogo de artifício de pragas: «fy for et liv!»

    Passando a ler o Elogio da Derrota, dei com estas duas fotos (aqui, e aqui) a ilustrar dois dos posts do autor. Papagaios é coisa que sempre me lembra uma das frases do quarto parágrafo de um romance … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , ,

Tolerância muçulmana

Agora mesmo, aqui ao lado, um colega de trabalho conversa ao telemóvel (não sei com quem ou sobre o quê) em paquistanês. Sei que mais de metade do que falamos, ele e eu, todos os dias, é risota e pilhéria, … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas ,

Epistolando D. João de Castro ao filho, D. D. Álvaro

  “E pois me Deus faz tanta mercê que vos dê saúde, rogo-vos muito que a saibais conservar e vos leixês estar comendo e bebendo e levando muito boa vida. Dizês-me que vos importunam lá muito religiosos: não é maravilha, … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , ,

Televisões

Tocam a campainha. Ao abrir, um fuinhas esgalhado, uma lista e uma caneta nas mãos. Um boa noite distante, que verifica as licenças de televisão, que vem da parte da televisão estatal. Pergunta se tenho televisão em casa. A primeira … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas