quando um Deus maior e mais urgente é revelado nos olhos de quem se ama

 

Da herança de armas escolho esta. A velha e sólida pombeira Colibri. Sempre a minha favorita. E a (de toda uma vida) do meu pai.

Lembrei há poucos dias o episódio ao limpá-la. Em certos dias, ao abraçá-lo na despedida quando me ia levar à Estação de comboio, eu rumo ao aeroporto e a outro país, se a tonalidade ou o intenso da luz (a lembra a daquela tarde) era de molde, lembrava-me daquele “quase-crime”. Há mais de uma década tinha estado mal. Às portas da morte. Dependente. A dar trabalho. Sentindo-se inútil. E um dia confessou:

– A tua mãe escondeu as espingardas, mas é fácil dar com elas. Isto não é vida, peço-te desculpa…

Pedia desculpa de planear dar termo àquilo que já não era vida. E eu soube que seria aquela, a Colibri, o instrumento. Foi conversa de poucos de segundos. Nunca precisámos de grandes conversas. E a resposta saiu de forma imediata:

– Não precisa estar sozinho; pomos os dois o dedo no gatilho.

Respondeu, de lágrimas nos olhos que isso não. Que nunca seria capaz de me implicar num gesto desses. De qualquer forma, a resposta saiu imediata. No momento soube que esse era o meu dever. Provavelmente facilitaram os valores que partilhámos: o gosto pela vida, a auto-suficiência, o nojo por ser vivo a qualquer custo – a coisa que mais transforma um ser humano em animal. A minha resposta revelou-se (com o tempo) errada. Teria uma década e tal de vida (bastante boa) ainda, depois de recuperado da doença. Foi errada a resposta, o estar disposto a pousar com ele o dedo no gatilho? Uns dias sim, outros não. Teria tido a coragem no momento decisivo? Penso que sim, mas pensar é fácil…

Essa foi, a minha experiência (nunca concretizada) de suicídio assistido. Ou, se assim quisermos, de eutanásia.

Durante estes últimos dias foi intenso o debate sobre o assunto, muito se disse e escreveu. À luz da minha experiência, nenhum post na blogosfera ultrapassa este no Mãe Preocupada e a frase quando um Deus maior e mais urgente é revelado nos olhos de quem se ama

.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s