Coisas simples

Leio o (previsível) post de Estrela Serrano Os invejosos de Mário Centeno e não quero retirar mérito ao homem no que respeita aos (bons) resultados económicos que os indicadores revelam.

Mas desconfio de uma coisa simples. Que parte do seu sucesso se deve à conjuntura. Aos limites às opções que, enquanto ministro, ou enquanto parte de um todo governativo, pode ou não tomar. É que, num governo de coligação (ainda que essa coligação seja de apoio parlamentar) os veto-points, os freios e contrapesos, a negociação com os outros partidos, tornam o roubo da mesa do orçamento um pouco mais difícil.

Desconfio que o velho PS, o partido que ainda me tem registado como militante, se dotado de maioria absoluta, continuaria preso aos seus consabidos hábitos de Pinhal da Azambuja.

.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , . ligação permanente.

3 respostas a Coisas simples

  1. Concordo que uma maioria absoluta do PS é de evitar a todo o custo. Mas não concordo que o PS sozinho com maioria não tivesse cumprido o PEC, porque seria forçado a isso pela UE, pela opinião pública (os partidos da geringonça nesse campo até prejudicam), e por uma espécie de brio atrasado do partido que nos deu José Sócrates. Quanto aos bons resultados económicos, sobrevivem bem a umas ladroagens.

    Mas daqui para a frente convém-nos olhar mais para os desmandos do poder local. Ontem, por exemplo, saiu a notícia de que o miradouro de São Pedro de Alcantara ia ser reforçado estruturalmente, para o que se fez ajuste direto com a Mota Engil. Razão para a ausência de concurso público? A “urgência”: podia vir um terramoto, chuva muito forte, etc. Acontece que o LNEC, num parecer prévio, tinha desmentido a tal urgência, e recomendou apenas uma suave vigilância da estrutura. Ver Manuel Salgado defender que não, que era mesmo necessário, e tal, foi um momento de rara telegenia que me fez regressar aos bons tempos daquele ministro das obras públicas que, com a troika à porta, defendia a continuação dos investimentos no TGV.

    Ou seja, o velho PS não morreu, está é na câmara de Lisboa. A tal que ainda funciona com a equipa do Costa.

    Abraço

  2. Correção: foi à teixeira duarte, não à mota engil. Este meu inconsciente…

  3. soliplass diz:

    pois, isto da mota engil tem sido traumatizante não admira que invada o subconsciente…

    Esta geringôncoisa, para além de estar a dar cabo da doutrina económica tem ainda um outro lado divertido, que é do da doutrina da estabilidade governativa. Coitado do Vital Moreira que passou anos a asseverar que isto de coligar à esquerda era uma balbúrdia instável, e afinal…

    Pobre homem, que tendo tentado em devido tempo e por quantos meios foi capaz construir a sociedade sem classes, a única coisa que conseguiu foi enriquecer. Falhou-lhe o projecto de vida. E agora, coitado, ainda lhe falha a ciência, a coisa mais cara (imagino eu) a um lente coimbrâo.

    Olhando estes deserdados da sorte um tipo constata que isto da vida é coisa tramada amigo Luís. Não acha?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s