Da etimologia e lexicografia

Estava nisto. As armas desmontadas no chão ladrilhado, iluminadas pelo sol da manhã, o sargento da polícia dobrado sobre elas tirando as fotos. Procurava as partes onde se grava o número de série, batia mais uma foto, depois de já fartíssimo de preencher formulários, tirar fotocópias de documentos, atender telefonemas enquanto ia tratando das formalidades. Estava nisto e entra um sujeito que só queria uma perguntinha. A respeito do mesmo. Tinha uma arma de caça para entregar, estava velho,  «ele já nin há coelho nenhum», pra qu’é que queria aquilo? Se era preciso algum papel para trazer a arma das Fazendas de Almeirim até ali à esquadra.

Afadigado o sargento respondeu que não. Que à espingarda era só preciso trazê-la escavacada dentro do carro. Mas depois corrigiu: «pére aí, tou a dizer escavacada, mas quero eu dizer desmontada! Separadas as partes umas das outras, pode vir assim, não é preciso bolsa ou caixa. Você não me faça como o outro que me apareceu aí outro dia com os canos duma todos espalmados. Agarrou na marreta e vai disto!»

E assim melhor precisou o sentido de «escavacada». Vamos lá a ver se é desta que fica definido o verdadeiro sentido de «soluções». Há por aí um jargão que precisava que uma limpeza ou afinação. «Gestão de excelência», «criação de riqueza», «vantagens competitivas», «empreendedorismo», etc&tal.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s