Coerência de bem prega frei Tomás

IMG_20171218_200205

Não está mal esta capa; para quem ainda há dias, num post aí para trás, elogiava a sobriedade das capas dos livros franceses, é caso pra dizer bem prega frei Tomás… Isto é o supra-sumo do gárrulo em matéria de capa. E no entanto, que delícia.

Mas eu sofro de gutembergomania (não no grau do sujeito da crónica de Veríssimo que estava desesperado ao ponto de ler as cartas da mãe da recepcionista do hotel), e peco por curiosidade pouco menos infantil. Perco-me por dicionários e enciclopédias, livros de trivia. E até, pela história dos fazedores de dicionários. Este, o The Professor and the Madman: A Tale of Murder, Insanity, and the Making of the Oxford English Dictionary foi um dos meus unputdownable de 2016. E, há quatro anos atrás, esta coisa maravilhosa: The Making Of Johnson’S Dictionary 1746-1773 da autoria de Allen Reddick.

Sobre soliplass

email: friluftogvind@gmail.com
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a Coerência de bem prega frei Tomás

  1. alembras-me a minha infância de leitora de (do, existia só um, lá em casa, o do Torrinha, em PT-PT) dicionário na casa-de-banho, feliz num mundo tão novo quão mágico.

    ______
    E essa capa é óptima 🙂

  2. soliplass diz:

    É um pouquinho espampanante a capita. A imagem do tipo a dar uma punhada na mesa e a dizer merde! Talvez fosse já a adivinhar o l’air du temps, que dali a poucos meses seria o escaqueirar da mobília no Maio de 68.
    Foi sorte que não tive, haver dicionário lá em casa. Havia os livros do ensino primário do meu pai, e era só. Em toda a aldeia aliás, ninguém tinha livros. Só um homem que vivia ostracizado, que tinha estado preso, um comunista. Aliás, ali pelas aldeias era disso que se suspeitava logo se a pessoa tinha livros em casa. De ser comunista. Ou protestante, se tinha bíblia.

    Hoje, olhando para trás, é algo de surreal, o nosso atraso naquele tempo. Algo que explica a nossa deficiência de valores cívicos.

  3. Tal e qual, com ondulações 🙂
    E já consigo conter as lágrimas, filha de marinheiro de guerra comunista clandestino, os livros, as revistas de nudismo norte-americanas, a primeira psi, em espanhol, os tantos etc.
    Já consigo conter as lágrimas com aquilo que soube dele após a sua morte.
    Não, não eram, não foram os livros, foram as pessoas. Felizmente conseguiu dizê-lo à mulher, antes da morte, entre outras cousas de mui grande importância (a dureza com os filhos, etc. 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s