Estradas ribatejoso-ribeirinhas

não sendo da melhor qualidade as fotos do telefone esperto, ainda assim merece paragem (que não pra quatro cigarros e dois bagaços, mas isso é à escolha do freguês) a pequena barragem de Alpiarça com seu café. Sítio mimoso…

barragem

E depois pernas à estrada, rumo à ponte D. Luís, onde se rola enchendo o olho, ouvindo a música auriculosa que dá o dito telefone esperto. Confesso, com uma lágrima ou outra que se escapa e se misturará no vento fresco. Pela memória do meu pai sempre ansioso que eu chegasse em cada Verão para, ali, ao pé da vala à sombra dos plátanos ir comprar melões à feira improvisada. Era, uma das suas alegrias. Ir comigo aos melões a Alpiarça, os melões que perfumavam a adega todo o Verão, a sua sobremesa preferida nos almoços de família. Onde falta agora.

estrada alpiarça

Estradas formosas enfim, em contraste com um mal-trajado ou mal-roupido, este vosso criado que se assina Soliplass, que perdões roga e suplica por prosaica (e de comezinhas coisas) prosa,

alpiarça

.

 

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Soliplass utilitário

telhado destelhado

Esbanjada a vida em inutilidades, excepções há; ontem ajudei a destelhar o telhado de um amigo que casa antiga de seus pais recupera. Torreira do sol e muito vespeiro activo, como activíssimas andavam as senhoras suas inquilinas vespas, também conhecidas como “as da farda amarela”, ou “companhia de lanceiros nº 1”. O animal mais valente do mundo, que, quando aparece, outro remédio não há que dar às de Vila Diogo. [Porém o «Diccionario de Uso del Español» de Marta Moliner é um pouco mais claro. Na entrada «Villadiego», diz: «coger [tomar] las de Villadiego. Por alusión a las alforjas que se fabricaban em esta población, marcharse de un sitio precipitadamente ó huyendo.»]

E, já a horas tardias e sombreadas, lendo o bom Daniel, dou com a caixa de comentários a rezar por conseguinte:

Adelino Ferreira said…

Estou estou :)) desde que conheci este espaço já lá vão uns tempos (por um marinheiro com sede em Oslo e com blog que sempre visito e a quem nunca dirigi palavra) que aqui venho beber as crónicas do Daniel.
Sempre que o leio vem-me à memória um escritor/jornalista falecido recentemente.

July 20, 2017 at 6:12 PM

Daniel Abrunheiro said…

Sinta-se sempre bem-vindo, Adelino. Muito grato pelas suas palavras. E o “marinheiro com sede em Oslo”, idem.

July 21, 2017 at 2:31 PM “

Se aquele marinheiro com sede em Oslo sou eu, o mesmíssimo destelha telhados à torreira, ganhei o dia e talvez o título que encima o post. E porque a vida não são só trabalhos e utilidades, assim que terminar este café da manhã que aqui meio espera a meu lado, vou fazer dedicar a manhã ao aparentemente inútil. Na mesmíssima r6 pinacle das estradinhas de Schleswig-Holstein vou de Santarém a Alcanhões e de lá plo Pombalinho bordejando milharais até à Golegã, ver a ponte da Chamusca, vir por í a baixo desabrido por Vale de Cavalos quiçá que a outra cavalgadura bi-rodada não negará passagem, e perfumar as narinas com meloais de Alpiarça. Outra das minhas voltas paraíso-ciclísticas. Encorajado plas boas-vindas do Daniel, vou ali já volto a ver se gosto tanto desta terra como ele. Gostar das coisas, parece-me, é uma forma de utilidade.

.

 

 

Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

É claro,

que isto de eu considerar o abaixo um dos melhores romances que li em língua portuguesa não tem que ser referência. Não reivindico autoridade. Em questões de literatura, ou outras. Da mesma forma que – um arrogantíssimo filho da puta que sou – não a reconheço.

.

Publicado em Uncategorized | Etiquetas | Publicar um comentário

E de leituras, dr. Soliplass?

IMG_20170720_124518 dia de praia. Aproveitando para ler O Meças de novo. Perdi a conta às vezes que o li, nove ou dez ou onze…

A cada vez melhor, será um dos meus romances infinitos.

.

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , | 1 Comentário

Recusas que merecem aplauso

.
Publicado em Uncategorized | Etiquetas | 2 Comentários

Importação de vocábulo: “sjybårturn”

IMG_20170715_222804

 

Conta-nos Morten Strøksnes n’O Livro do Mar (abaixo) que existe nas faixas costeiras do arquipélago Vesterålen uma palavra para designar o som do mar que que bate calmamente na areia, ouvido através uma janela aberta de um quarto, durante uma noite agradável de Verão: «sjybårturn».

Podem gostar da versão inglesa. Ou francesa.

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , | 1 Comentário

Bom sítio

IMG_20170715_164437 e bom sábado pra acabar o Havboka.

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , | Publicar um comentário