Arquivo de etiquetas: J. Rentes de Carvalho

A morte e a vida

Comprei, para o funeral do meu pai, gravata preta na Estação Central de  Oslo. No comboio que se afasta da cidade rumo ao aeroporto procuro algum consolo em palavras de Rentes de Carvalho. Tentando, ao mesmo tempo, repescar na memória fragmentos … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , ,

Citando o já citado

Isto do caso Rocha Andrade faz-me bater com os olhos nas figuras, ou tipologias, do costume. E lembrar (como seria bom esquecê-lo) o trecho de Fialho de Almeida citado por Rentes de Carvalho na última das notas soltas que acompanham o … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , ,

O Meças, o grande guerreiro, uma história grande, outra pequena e… a história do costume

      Confesso que a crítica de António Guerreiro no Publico ao romance O Meças, de J. Rentes de Carvalho me irritou para lá da conta. Aquilo, parece-me, nada diz do romance em si, mais me parece simples má-educação, … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , ,

Le fat

É livrinho velho que já não interessa ao careca (a sociedade e os usos que prescreve desapareceram já) mas por cá o mantenho nos aposentos marítimos. Em parte porque recomenda uma arte da conversação que deve usar de bons modos. … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , ,

Leituras ao sábado

Manhã de sábado, Oslo, sem tráfego, quase deserta. Café do costume a dois passos de casa. Segunda leitura de O Meças; desta vez, folheando ao acaso, saltando de trecho em trecho enquanto vou sorvendo o café. Indeciso entre o que mais … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , ,

Boas notícias

  Não é segredo. Um admirador da obra de J. Rentes de Carvalho me confesso. Lá para Março mais um título a juntar à obra já lida; boas notícias.

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , ,

coisas por que vale a pena lutar na literatura portuguesa – campo de aviação e tauromaquia na pantalha

(…] nesse tempo as pessoas passavam mais tempo à lareira e a gozar o fresco, falando de ninharias, sonhando em voz alta aquilo que nunca iria acontecer. Assim é que a história provavelmente tinha começado. Invenção dum, palavreado doutro, ou … Continuar a ler

Publicado em Uncategorized | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário